quinta-feira, 18 de outubro de 2012

Artigo: Treinamento integrado: futebol x futsal para categoria sub-17

Postado por Educação Físicaa  |  at  05:43



1.     Introdução

    A formação de novos jogadores dentro dos clubes de futebol é uma preocupação cada vez maior das equipes no Brasil. A preparação integral dos jogadores das categorias de base dos clubes formadores, visão um bom desempenho nas competições, bem como, uma rápida projeção para as equipes profissionais, com objetivo de futuramente serem vendidos para clubes do exterior, desta forma sustentando e pagamento as dívidas, acumuladas durante anos pelos clubes. Alguns fatores exercem influência sobre isso, como a qualificação dos profissionais que atuam nesta área, os técnicos, os auxiliares e os preparadores físicos. Mas o quanto estes profissionais estão qualificados? Será que os métodos por eles utilizados satisfazem os objetivos dos clubes? Assim sendo, é preciso direcionar o trabalho de forma a adequar os conteúdos e os objetivos às necessidades dos atletas, atendendo ao enriquecimento das atividades e sem desviar-se dos elementos essenciais do jogo e de seus componentes, o que pode contribuir decisivamente para o sucesso do jovem como atleta profissional de alto rendimento (GARGANTA e PINTO, 1995). Dependendo da abordagem metodológica de ensino - aprendizagem - treinamento que se adota nesse trabalho de revelação de jogadores, isso pode possibilitar aos jovens uma incorporação mais rápida do conceito de atleta, habituando-se a uma vida regrada e disciplinada, com treinos em horário integral e preparações específicas, sem contar com o aprimoramento dos aspectos técnicos e consolidação das noções táticas. Além disso, segundo Freire (1998), faz-se necessário proceder de forma a levar o atleta a compreender suas ações dentro de jogo, visto que a vivência e repetição de experiências no esporte podem ser tomadas como um exercício mental para a compreensão da dinamicidade do futebol. Neste sentido, faz-se necessário um programa de treinamento apropriado para as faixas etárias e que correspondam aos objetivos que se pretende alcançar.

2.     Tática individual

    Tática é a capacidade baseada em processos cognitivos de recepção, transmissão, análise de informações, elaboração de resposta e execução da ação motora, concretizada com uso de uma técnica específica, implicando em tomadas de decisões, a qual reflete o nível da capacidade de jogo e experiência motora do atleta (BAYER, 1986). De acordo com Benda e Greco (1998), as capacidades táticas estão em relação de interdependência e em interação com as capacidades cognitivas. Nesse contexto, segundo os autores, o conjunto de ações a qual os jogadores devem recorrer nos jogos esportivos coletivos (JEC) relacionam-se com as ações do jogador na situação de ataque ou defesa determinada pela posse ou não da bola e as características das ações que estes realizam (ações do tipo individual, de grupo e coletiva). Tática individual é a ação isolada do jogador através das capacidades físicas, técnicas, táticas, teóricas, psicológicas e capacidade de percepção da situação de jogo visando atingir um determinado objetivo. As ações individuais ocorrem no ataque e na defesa e se encontram divididas em duas partes: com e sem a posse da bola (GOMES e SOUZA, 2008). No ataque com a posse da bola tem que protegê-la, realizar algumas fintas múltiplas, ultrapassar o adversário, chutar e passar. Já quando ele está sem a posse da bola o atleta tem que se desmarcar, tentar se infiltrar, sair com a bola e conduzir em direção à meta. Já na defesa, quando o jogador estiver sem a bola deve marcar e interceptar, quando o atacante vem com a bola deve-se roubar a bola, desarmar e tentar manter a superioridade numérica para dificultar o ataque. Os processos de tomada de decisão são conduzidos pelo atleta em relação à situação do jogo percebida e emocionalmente avaliada, conforme sua própria responsabilidade e reflete seu nível de capacidade tática individual (BIANCO,1999). É na ação do jogo que se justifica a importância do comportamento tático do jogador para o rendimento esportivo, salientada num conjunto de métodos ou procedimentos de capacidades específicas para uma organização situacional (BENDA e GRECO, 1998). Os princípios táticos fundamentais da fase ofensiva de jogo contribuem para que os jogadores, tanto os mais distantes como os mais envolvidos diretamente no "centro de jogo", orientem suas atitudes e seus comportamentos tático-técnicos em prol dos objetivos da equipe, ou seja, conduzam a bola para as áreas vitais do campo de jogo e marquem gol (CASTELO, 2004). Os princípios ofensivos para Arruda e Bolaños (2010) são: controle da bola (posse de bola, cobertura ofensiva e virada de jogo), amplitude (jogar pelos lados do campo), mobilidade (desmarcação, apoio, mudança de ritmo e de direção), penetração (tabelas, paredes, ocupação de espaços, progressão e superioridade numérica) e improvisação (adaptar-se a novas situações e ações durante o jogo). Já para Garganta e Pinto (1995) os princípios operacionais de ataque são: conservar a bola, construir as ações ofensivas, progredir sobre o campo adversário, criar situações de finalização e finalizar. Para Garganta e Pinto (1995) os princípios fundamentais de ataque são: penetração, cobertura ofensiva, mobilidade, espaço e unidade ofensiva. No contexto da tática individual defensiva Arruda e Bolaños (2010) descrevem como princípios as seguintes ações: cobertura, permuta, desarme, antecipação, interceptação, carga (aproximação e abordagem), dobras, redução de espaço e flutuação. Para Garganta e Pinto (1995), os princípios operacionais de defesa são: impedir a progressão do adversário, reduzir o espaço de jogo, proteger a trave, anular as ações de finalização e recuperar a bola. Já os princípios fundamentais de defesa são: contenção, cobertura defensiva, equilíbrio, concentração e unidade defensiva.

3.     Modelo de jogo

    O modelo de jogo é o referencial que deve regular o trabalho desde o início da temporada até o final, sendo irracional planejar e organizar uma equipe sem pensar e/ou criar essa referência fundamental para atingir os objetivos propostos no modelo de jogo (FARIA, 1999). O modelo de jogo deve abranger princípios, sub-princípios e sub-sub-princípios racionais e coerentes para o "treinar-jogar" da equipe (OLIVEIRA, 2006). Neste sentido, o modelo de jogo orienta e permite a regulação do processo de treino-competição, possibilitando ao treinador e aos jogadores conceber o planejamento que devem seguir, em função dos objetivos formulados (GARGANTA, 1997). Levando em consideração a definição de modelo de jogo, a forma como o treinador pensa o desporto é um aspecto determinante na organização de uma equipe de futebol. Se o treinador souber claramente como quer que a equipe jogue e quais os comportamentos que deseja dos seus jogadores, tanto no plano individual como no coletivo, o processo de treino e de jogo será mais facilmente estruturado, organizado, realizado e controlado. (OLIVEIRA, 2006). Esse modelo assume uma característica pré-determinada, mas estará sempre aberto a novos acréscimos tanto no plano individual como no coletivo, desta forma, ele estará sempre em construção. O modelo final é sempre inatingível, porque está sempre em reconstrução, em constante evolução (OLIVEIRA, 2006). Para Mourinho (2001), Oliveira (2006), Faria (1999), para a elaboração de um modelo de jogo é importante conhecer: estruturas e objetivos do clube; a equipe e o respectivo nível de jogo; o nível e as características individuais dos jogadores; o calendário competitivo; idéias de jogo do treinador; cultura do país e clube; os momentos do jogo; os princípios e sub-princípios do jogo e as organizações estruturais. Os momentos do jogo são essências para a estruturação de uma equipe. São eles: a organização defensiva, a transição defesa-ataque, a organização ofensiva e a transição ataque-defesa. A organização defensiva tem o objetivo de condicionar, direcionar e pressionar a equipe adversária com o propósito de provocar o erro e ganhar a posse de bola. A transição defesa-ataque tem a finalidade de tirar a bola da zona de pressão aproveitando a desorganização defensiva da equipe adversária para dar profundidade em segurança ou para iniciar uma organização ofensiva. A organização ofensiva tem o alvo de desorganizar e desequilibrar a estrutura defensiva do adversário, com a finalidade de aproveitar essa desorganização para marcar gols. A transição ataque-defesa tem o desígnio de aproveitar a desorganização "ofensiva" do adversário para ganhar a posse de bola ou para nos organizarmos defensivamente. Para os autores acima é necessário construir o hábito nos jogadores durante os treinos, para que estes automatizem as diversas ações de ataque e defesa durante os diferentes momentos do jogo. Para que isto aconteça é importante que se treine em especificidade (OLIVEIRA, 2006). A especificidade no treino é outro fator importantíssimo, pois este é um princípio básico do treinamento esportivo. O que ocorre é que em alguns trabalhos de equipes de Futebol, a especificidade é esquecida desde o início (pré-temporada). Nessa época os trabalhos são somente físicos, indo na contra partida da realidade do jogo de futebol. O trabalho em especificidade deve estar desde o primeiro dia de treinamento, com o objetivo imediato do desenvolvimento da forma de jogar da equipe, alternando as intensidades através de conceitos como: tempo, densidade, pausa, continuidade, intensidade de concentração, buscando que o treinamento se aproxime da realidade o jogo (Mourinho, 2001). Então a importância de um Modelo está em formalizar o jogo de uma equipe para que esta esteja habituada as futuras possíveis situações reais da partida. Na faixa etária dos 17 anos, os jogadores já possuem experiência e conhecimento do futebol, para trabalhar em especificidade e pode-se criar um modelo de jogo característico para faixa etária.

4.     Características da categoria sub 17 no futebol e futsal

    Características da faixa etária segundo Coimbra (2001) e Beltran (1991): escolha do desporto definitivo; força e explosão muscular; ênfase no preparo físico com excelente capacidade cardíaca e pulmonar; desenvolvimento das funções intelectuais; personalidade começa a acomodar-se; adolescente é um adulto sexualmente; importante o enriquecimento do trabalho tático e técnico; boa experiência em competições; obtenção da resistência mental; os adolescentes esperam gozar dos privilégios dos adultos e as atividades devem envolver grande acervo orgânico.

As características das equipes sub 17 no futebol e futsal

Características da categoria 

sub 17 aplicada ao futebol

Características da categoria

 sub 17 aplicada ao futsal

- Treino 5 a 6 vezes por semana;

- Domínio total do futebol;

- Atletas jogam há bastante tempo juntos;

- Treino físico levado a sério;

- Execução de diferentes esquemas táticos defensivos e ofensivos;

- Onde começa trabalho de scouts;

- Variação nos tipos de marcação;

- Sistema 4.4.2 de ataque com movimentações e variações;

- Bola parada com treino mais específico.

 

- Treinos de 4 a 5 vezes por semana com 1h30 min.;

- Domínio total do futsal;

- Trabalho com ênfase no aspecto físico;

- Os jogadores estão aptos ao trabalho organizado e sistemático;

- Execução de diferentes sistemas de ataque e defesa;

- Ênfase nas produções individuais e coletivas;

- Estratégias preparadas para defesas que vai se enfrentar;

- Variações com mais de um tempo nas bolas paradas;

- Sistema de ataque utilizado 3.1 com muitas movimentações.

 

Posições e a tática individual para treinar no futebol e futsal na categoria sub17

Posições e capacidades 

táticas específicas no futebol

Posições e capacidades 

táticas específicas no futsal

Goleiros

- Último defensor; aconselhar e dirigir seus companheiros em situações de bola em jogo e parada; fazer leitura do jogo para que em situações de emergência possa sair com os pés; primeiro atacante; sua posição facilita a observação e orientação dos companheiros em campo.

Zagueiros

- Sua missão principal é marcar de maneira ativa e vigorosa o adversário mais adiantado da equipe adversária, sem dar tempo de efetuar algumas ações técnico-táticas; alternar as ações de marcação individual com o outro defensor central; coordenar a última linha defensiva, com o propósito de diminuir a profundidade do adversário e procurar deixar o adversário em impedimento; subir ao meio campo durante o processo ofensivo, diminuindo os espaços da equipe; participar das situações de bola parada.

Laterais

- Desempenham um amplo papel no jogo atual. Formam a última linha defensiva. Devem se desdobrar de acordo com situações momentâneas do jogo; taticamente sua tarefa individual fundamental é defender seu setor, vigiando e marcando agressivamente os atacantes que ali estão; após a recuperação da posse de bola, deve imediatamente deslocar-se para linha lateral, possibilitando uma opção de passe; apoiar o ataque através de seu corredor desequilibrando e criando situações de superioridade numérica.

Meio campo (volantes)

- Taticamente, os centros campistas deverão ter um grande equilíbrio nas funções ofensivas e defensivas; devem marcar os meias adversários, acompanhando quando eles entrem na zona de finalização; taticamente, os centros campistas deverão dar ritmo ao jogo; apoiar constantemente as ações e muitas vezes têm a função de organizar o jogo.

Meio campo (meias)

- Ocupar seu setor de jogo, prestando ajuda ao seu companheiro de defesa lateral e volante; movimentar-se para o centro do campo quando a bola estiver no lado oposto ao seu (linha de cobertura); sua função principal é criar situações iminentes de arremate utilizando sua velocidade e sua capacidade para driblar; sua mobilidade deve ser constante procurando os espaços vazios, arrastando contigo um ou mais marcadores.

Atacantes

- Do ponto de vista defensivo, é considerado o primeiro defensor; devem dificultar a saída de bola posicionando-se na linha de passe; pressiona os defensores centrais adversários e dificulta a circulação dos volantes; sua principal função: marcar gol; deve-se colocar de maneira que aumente a profundidade de sua equipe; atrair seus oponentes para posições falsas, facilitando a penetração de seus companheiros.

Goleiros

- Inicialmente deverá saber "defender bem", ter o domínio do seu espaço, agilidade, reflexo e orientar os colegas.

- Necessita também saber jogar com os pés (passe e chute).

- Precisa atuar como "líbero" em algumas situações.

Fixos ou Beques

- Fixos que consigam marcar pivôs de referência (cravado).

- Fixos que tenham mobilidade em quadra e possuam passe de qualidade.

- Fixos com bom sentido de cobertura, desarme e recuperação.

- Assumam um papel importante na organização do processo ofensivo.

- O início dos esquemas tácticos ofensivos deve ser iniciado por este jogador, através de comunicação verbal ou gestual.

- A capacidade de antecipação, capacidade de decisão elevada e rápida, são capacidades importantes nesta função.

Alas

- Alas de movimentação e marcação de retorno.

- Alas com boa conclusão ao gol.

- Alas de marcação com bom sentido de cobertura e recuperação.

- Sempre prontos para criar situações de superioridade numérica.

- Capacidade de pressão defensiva.

- Alas com drible, para produção do jogo de 1 contra 1.

 

Pivôs ou Frentes

- Pivô de movimentação.

- Girar dos dois lados e trabalhar bola de tempo, passe e condução da bola.

- Deverá ser capaz de manter a posse de bola em zonas próximas da baliza, de maneira a servir os colegas que realizam desmarcações de apoio para finalizar.

- Pivôs com bom controle de bola e visão de jogo.

- Habilidade para levar vantagem no jogo de 1 contra 1.

 

Tática coletiva de ataque e defesa para treinar no futebol e futsal na categoria sub 17

Tática de ataque e defesa no futebol

Tática de ataque e defesa no futsal

DEFESA

- A compactação e a aproximação dos setores pelos jogadores.

- A distribuição correta nos setores e lados.

- Envolver todos os jogadores no treinamento de uma ação tática defensiva, no qual cada um terá uma função e movimentação, independente do setor ou lado que estiver se desenvolvendo a ação.

ATAQUE

- A prioridade é passar a bola para o jogador mais próximo, evitando passes longos.

- Proporcionar um amplo repertório de ações, pois no futebol, por mais que se treine uma determinada ação, durante o jogo, a probabilidade de acontecer é pequena.

- Sentido de triangulação - ajuda mútua.

- Enfatizar e conscientizar sobre o "padrão" e não a jogada.

DEFESA

- Aperfeiçoamento de cobertura (cobertura nos setores vulneráveis).
- Saber que as linhas se alteram constantemente, de acordo com o ataque adversário, e que se deve sempre buscar o equilíbrio para desarmar o adversário, nos diferentes espaços de quadra. 

ATAQUE

- São reconhecidos pela sua qualidade em determinada posição. Mas reúnem informações para identificar o básico de todas elas. Por exemplo:  pivô quando na posição de beque, sabe alguns conceitos que ajudam a não comprometer a defesa.

- Sistemas de ataque e defesa mais complexos.

- Conhecimento dos diferentes tempos de ataque, que estará de acordo com a defesa adversária. 
- Ler e entender o jogo, principalmente o do adversário.

 

Sistemas estruturais de ataque e defesa no futebol e futsal para categoria sub 17

Futebol

Futsal

Sistema 4.4.2

Características:

DEFESA – 2 Laterais e 2 Zagueiros

MEIO CAMPO – 2 Volantes e 2 Meias

ATAQUE – 1 Atacante e 1 Centroavante

Vantagens:

- - Bloqueio no meio campo;

- - Auxilio dos volantes na marcação defensiva;

- - Auxilio no ataque pelos meias.

Desvantagens:

- - Desgaste dos laterais;

- - Falta de jogadas pelos lados;

- - Dificuldade de marcar as jogadas laterais.

Variações na Formação do meio campo no 4.4.2:

- 2 meias e 2 volantes;

- 3 volantes e 1 meia;

- 1 volante e 3 meias;

- 2 linhas de quatro.

 

 

Sistema 3.1 com pivô de movimentação

Características:

- Muita movimentação;

- 1 jogador na defesa que faz a função de fixo e ala;

- 2 jogadores na armação que também jogam como pivô e alas;

- 1 jogador no ataque que joga como pivô e ala;

Vantagens:

- Possibilita as movimentações de todos os jogadores na quadra;

- Facilita a rotação dos jogadores que estão atrás para infiltrar no ataque e do jogador da frente recuando para armação;

- Jogo para quadra de dimensões média ou grande;

- Bom sistema quando a defesa adversária marca mais na frente;

- Jogo com passes em infiltrações.

Tipos de Padrões 3.1 com movimentação:

- Padrão de Diagonal;

- Padrão Redondo ou Circular;

- Padrão com trocas de alas com pivô e fixo com pivô.

    Segundo Garganta e Pinto (1995) o Modelo de Jogo que caracteriza esta fase dos 17 anos de idade é o ESTRUTURADO. Com um jogo dinâmico, orientado, jogadores centrados sobre a finalização. Este modelo possui as seguintes características: agressividade ofensiva; alternância do jogo em largura e profundidade; a bola avança relativamente bem no jogo de ataque (jogadores atrás da linha da bola); ações são organizadas em função dos alvos; as ações são encadeadas e predomínio da comunicação motora.

5.     Programa de treinamento integrado de futebol e futsal para atletas de futebol na categoria sub 17

    Os Autores que colaboram com o arcabouço de jogos, para a proposta do programa, são: BALZANO (2007 e 2010), LUXBACHER (1999), LEÃES (2003), MUTTI (2003), OCAÑA (s/d), SANZ e TORRELLES (2003), SEGURA (2003), MAYER (1996), FERRETTI (2010), FALK e PEREIRA (2010), OLIVEIRA (2005), LOPES (2009), DRUBSCKY (2003) e ANDRIATTI (2009). O programa de treinamento integrado consiste em seis treinos por semana e um jogo. Na segunda feira o treino é de duas horas de futsal com três jogos com ênfase na marcação, velocidade nas ações e sistema 3.1 com movimentação. Na terça feira o trabalho acontece no espaço de ¼ de campo através de três jogos com destaque para os fundamentos técnicos e as funções específicas. Na quarta feira o treinamento ocorre em um espaço de 1/2 campo com dois jogos condicionados técnico/táticos que evidenciam o treinamento das ações de ataque e defesa. Na quinta feira o treinamento sucede em campo inteiro com dois jogos táticos destacando o sistema tático e a marcação coletiva. Na sexta feira o trabalho reproduz a dinâmica da quarta feira, mas com destaque para os problemas da equipe e do adversário. No sábado o treinamento acontece em campo inteiro com jogo tático, treino coletivo, treino de dois toques ou recreativo. Neste dia também ocorre o treino de bola parada ofensiva e defensiva.

Exemplo de Mesociclo para categoria sub 17 com jogos condicionados

SEGUNDA

Futsal

TERÇA

Futebol

1/4

QUARTA

Futebol

1/2

QUINTA

Futebol

1/1

SEXTA

Futebol

1/2

SABADO

Futebol

1/1 e bola parada

DOMINGO

 

1- Jogo do pivô com duas bolas

2-Jogo da quadra de vôlei – UFC

3-Jogo dos quadrantes – Ferretti

1-Futevôlei

2-5x5perna ruim

3-Passe de direita o próximo de esquerda

13- Jogo 7x7 com impedimento

14- Obrigado sair o cruzamento pelas alas livres

1- 21- Jogo Tite - entrar na área conduzindo bola

22- Jogo Tite - entra a bola primeiro

29- Trave no meio 4 lados, levar a bola até a zona para construir o ataque

30- Jogo do contra ataque com dois apoios com a bola no ataque

37- Tirar a bola no campo de defesa

Treino de duas jogadas de escanteio e marcação de escanteio

JOGO

4- Jogo da quadra em X

5-Jogo PV recebe de costas

6-Bola na mão do PV contra ataque

4- 2x2x2

5-3x3x3

6-Sempre 3x2

15- Cinco passes e ataca em qualquer trave

16- Ao sinal troca o lado de ataque

23- Jogo dos meias na zona

24-Entrar na área só na bola parada

31- Final do jogo – 3 passes bola na área

32- Jogo da regra de basquete

38- Tirar a bola nos 2/3 do campo

Treino de duas jogadas de faltas centrais e marcação de faltas centrais

  

7-Zona livre para o PV

8-Tempo para finalizar e não repete o rematador

9-Jogo defende duas traves

7-Posse de bola com finalização

8-Contra ataque Ulbra

9-1x1, 2x1, 2x2, 3x2, 3x3, 4x3 e 4x4

17- Jogo Mano Menezes

18- Jogo das 3 equipes uma ataca nos dois lados do campo

1- 25- Não pode receber a bola no mesmo quadrante

26- 4 zonas jogar para frente

33- Obrigado jogar para frente

34- Erra o passe saí do jogo

39- Número de passes no meio para atacar

Treino de duas jogadas de faltas laterais e marcação de faltas laterais

  

10- 4 traves gol nos 4 lados

11- Só tira a bola na quadra de defesa

12- No sinal ataca do outro lado.

10- Passes atravessados

11- 3 passes por setor para finalizar

12- 3x2 contra 3x2 no setor

19- Ataque com passe nos 4 cantos

20- Jogo dos dois toques finaliza de primeira

27- Times

11 x 10 e

11 x 9

28-Times

13 x 11 e

12 x 10

35- Jogo das seis traves grandes

36- Traves viradas

40- Campo 3 zonas na horizontal número de passes por setor

Treino de duas jogadas de laterais e marcação de laterais

  

Jogos do Programa de Treinamento Integrado Futsal e Futebol sub 17

FUTSAL

 

FUTEBOL

¼ de Campo

 

½ Campo

 

Campo Inteiro

 

½ Campo

 

Campo Inteiro

6.     Considerações finais

    A proposta de um programa de treinamento integrado de futsal e futebol para categoria sub 17 anos, encerra o ciclo de treinamentos com os dois desportos. A partir da categoria sub 20 no futebol, os atletas já estão com seus objetivos de vida bem definidos. Quando os jogadores ingressam na categoria sub 20 dificilmente, se não derem certo, irão tentar uma nova possibilidade em outro esporte. Esta passagem da categoria sub 17 para sub 20 é crucial no futebol. Caso o atleta não consiga continuar no futebol com 17 anos, ainda existe a possibilidade de ingressar no futsal. Pois ainda existem três anos para o seu aperfeiçoamento neste desporto. Se o atleta participou em outras categorias do programa integrado, quando ingressar no futsal já possuirá uma boa base tática para este esporte. Este trabalho tem o intuito, de auxiliar os profissionais do futebol e futsal, em suas atividades diárias, buscando através de uma nova perspectiva metodológica contribuir com o desenvolvimento dos desportos e o aperfeiçoamento técnico/tático dos atletas.

Referências

  • ANDRIATTI, P. E. Futebol: treinamento global em forma de jogos reduzidos. Jundiaí, SP; Fontoura, 2009.

  • ARRUDA, M. e BOLAÑOS M. A. C. Treinamento para jovens futebolistas. São Paulo: Phorte, 2010.

  • BALZANO, O. N. Metodologia dos jogos Condicionados para o Futsal e Educação Física Escolar. Edição do Autor. Porto Alegre, 2007.

  • _______________. Programa de treinamento tático ofensivo no futsal através de jogos condicionados. Parte I. EFDeportes.com, Revista Digital. Buenos Aires - Año 15 - Nº 147 - Agosto de 2010. http://www.efdeportes.com/efd147/treinamento-tatico-ofensivo-no-futsal-i.htm

  • _______________. Programa de treinamento tático defensivo no futsal através de jogos condicionados. Parte II. EFDeportes.com, Revista Digital. Buenos Aires, Año 15, Nº 148, Setembro de 2010. http://www.efdeportes.com/efd148/treinamento-tatico-defensivo-no-futsal-ii.htm

  • BAYER, C. La enseñanza de los juegos deportivos colectivos. Barcelona. Hispano Europea, 1986.

  • BELTRAN, F. Iniciación al Futbol Sala: Técnica y Planificación. Zaragoza – CEPID. Editorial Agonos, 1991.

  • BENDA, R. N.; GRECO, J. P. Iniciação esportiva universal I: da aprendizagem motora ao treinamento. Belo Horizonte: UFMG, 1998.

  • BIANCO, M. A. Importância da capacidade cognitiva no comportamento tático nos esportes coletivos: uma abordagem no basquetebol. In: I Prêmio de Literatura Esportiva. INDD. Brasília, 1999.

  • CASTELO, J. Futebol: Organização dinâmica do jogo. Lisboa: FMH Edições, 2004.

  • COIMBRA, E. A. Método sensorial no futebol: da infância à fase adulta. Rio de Janeiro: Mauad, 2001.

  • DRUBSCKY, R. O universo tático do futebol: Escola brasileira. Belo Horizonte: Editora Health, 2003.

  • FALK, P. R. A.; PEREIRA, D. P. Futebol: gestão e treinamento. 1ª ed. São Paulo: Ícone, 2010.

  • FARIA, R. Periodização Táctica: um imperativo concepto-metodológico do rendimento superior em futebol. Monografia de Licenciatura – Universidade do Porto, Porto, 1999.

  • FERRETTI, F. Treze jogos táticos e cognição para futsal. DVD - IX Curso de técnica e tática de Futsal. – FCFS – Fortaleza, 2010.

  • FREIRE, João Batista. Pedagogia do Futebol / João Batista Freire. Londrina: Midiograf, 1998.

  • GARGANTA, J. O Ensino do Futebol. Curso ministrado no Instituto de Educação Física da Universidade do Estado do Rio de janeiro, Brasil, 1997.

  • GARGANTA, J.; PINTO, J. Contributo da modelação da competição e do treino para a evolução do nível do jogo no futebol. In: Centro de Estudos dos Jogos Desportivos FCDEF-UP, 1995.

  • GOMES, A. C.; SOUZA, J. Futebol: treinamento desportivo de alto rendimento. Porto Alegre: Artmed, 2008.

  • JUAN, F. R.; LÓPEZ, A. G.; ANDÚJAR, A. J. C. La iniciación deportiva basada en los deportes colectivos: nuevas tendencias metodológicas. Madrid: Gymnos, 2001.

  • LEÃES, C. G. Futebol: treinamento em espaço reduzido. Porto Alegre: Movimento, 2003,

  • LOPES, A. A. da S. M. Método integrado do ensino no futebol. São Paulo: Phorte, 2009.

  • LUXBACHER, J. Attacking soccer: Tactis and drills for high-scoring offense. United States of América: Editora, 1999.

  • MAYER, R. Fichas de Fútbol 120 juegos de ataque e defensa. Barcelona: Editorial Hispano Europea, S.A. 1996.

  • MUTTI, D. Futsal: da iniciação ao alto nível. 2ª ed. – São Paulo: Phorte, 2003.

  • OCAÑA, F. G. Fútbol y fútbol sala. 250 Actividades Sociomotrices. Barcelona: Editorial Paidotribo. s/d.

  • OLIVEIRA, B. et al. Mourinho: Porquê Tantas Vitórias? Lisboa. Gradiva, 2006.

  • OLIVEIRA, R. A planificação, programação, e periodização do treino em futebol. EFDeportes.com, Revista Digital. Buenos Aires, n. 89, 2005. Acesso em 6/07/2011.

  • MOURINHO, J. Programação e periodização do treino em futebol in palestra realizada na ESEL, no âmbito da disciplina de POAEF. 2001.

  • PAOLI et al. O desenvolvimento do processo de treinamento das ações táticas ofensivas no futebol na categoria infantil. EFDeportes.com, Revista Digital. Buenos Aires, Año 11 - N° 104 - Enero de 2007. http://www.efdeportes.com/efd104/treinamento-das-acoes-taticas-ofensivas-no-futebol.htm

  • PAOLI, P. B. Os estilos de futebol e os processos de seleção e detecção de talentos. Tese (Doutorado em Educação Física) – Programa de Pós-Graduação em Educação Física, Universidade Gama Filho. Rio de Janeiro, 2007.

  • RÉ, A. N. Características do futebol e do futsal: implicações para o treinamento de adolescentes e adultos jovens. EFDeportes.com, Revista Digital. Buenos Aires, Año 13 - Nº 127 - Diciembre de 2008. http://www.efdeportes.com/efd127/caracteristicas-do-futebol-e-do-futsal.htm

  • REZER, R. & SAAD, M.A. Futebol e Futsal: possibilidades e limitações da prática pedagógica em escolinha. Chapecó: Argos, 2005.

  • SANTANA, W. C. Futsal: Apontamentos pedagógicos na iniciação e na especialização. Campinas: Autores Associados, 2004.

  • SANZ, T. A. e ALCARAZ, C. F. Escolas de Futebol: Manual para organização e treinamento. 3ª ed. Porto Alegre: Artmed, 2003.

  • SEGURA, J. R. Futebol: exercícios e jogos. 8ª ed. Porto Alegre: Artmed, 2003.

Já acessou o blog da EDUCAÇÃO FÍSICA hoje?
Saiba mais sobre ESSE ASSUNTO clicando aqui!
Veja os melhores LIVROS e CURSOS ON LINE de Educação Física.

Categoria:
Sobre o Editor

Equipe do blog Educação Fisicaa

Receba Newsletter

Inscreva seu e-mail e receba atualizações.

Compartilhe esse Post

Posts Relacionados

Comente:

    Últimas

Receba no Email

Digite seu e-mail e receba as novidades no seu e-mail.


Você irá se cadastrar na nossa newsletter, não esqueça de confirmar o cadastro clicando no link que irá para o seu e-mail.

Seguidores

Populares

Blogger templates. Proudly Powered by Blogger.
back to top